“Não se deixem vencer pelo desânimo!”, pedido do Papa aos brasileiros na festa dos 300 anos de Aparecida

A celebração da Eucaristia que marcou, de modo oficial, a festa dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, a chamada Missa Jubilar, foi celebrada na manhã desta quinta-feira, 12 de outubro, tendo como altar a Tribuna Bento XVI que fica na parte do Santuário Nacional na direção da Via Dutra, na cidade de Aparecida, São Paulo.

Mensagem do Papa

No início da celebração, nos telões espalhados, as milhares de pessoas que participaram sob sol forte puderam ver o Papa Francisco fazer uma saudação especial:

Querido povo brasileiro.

Queridos devotos de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.

Minha saudação e minha bênção para todos vocês que estão vivendo, em Cristo Jesus, o Ano Mariano por ocasião do jubileu de 300 anos do encontro da imagem da Virgem Mãe Aparecida nas águas do Rio Paraíba do Sul.

Em 2013, durante a minha primeira viagem apostólica internacional, tive a alegria e a graça de estar no Santuário de Aparecida e rezar aos pés de Nossa Senhora confiando-lhe o meu pontificado e lembrando o povo brasileira por acolhida tão calorosa que veio do seu abraço e do coração generosos. Naquela ocasião, inclusive, manifestei meu desejo de estar com vocês no ano jubilar, mas a vida de um Papa não é fácil. Por isso, nomeei o cardeal Giovanni Battista Re como Delegado Pontifício para as celebrações do dia 12 de outubro. Confiei a ele a missão de garantir, assim, a presença do Papa entre vocês.

Ainda que não esteja fisicamente presente quero, entretanto, por meio da Rede Aparecida de Comunicação, manifestar meu carinho por esse povo querido devoto da Mãe de Jesus. O que deixo aqui são simples palavras, mas desejo que vocês recebam como um fraterno abraço neste momento de festa.

Em Aparecida, repito aqui as palavras que proferi em 2013, no altar do Santuário Nacional, aprendemos a conservar a esperança, a nos deixar nos surpreender por Deus e a viver na alegria.  Esperança, querido povo brasileiro, é a virtude que deve permear o coração dos que creem, sobretudo quando ao nosso redor, as situações de desespero parecem querer nos desanimar. Não se deixem vencer pelo desânimo! Não se deixem vencer pelo desânimo! Confiem em Deus. Confiem na intercessão de Nossa Senhora Aparecida. No Santuário de Aparecida, em cada coração do devoto de Maria podemos tocar a esperança que se concretiza na vivência da espiritualidade, na generosidade, na solidariedade, na perseverança, na fraternidade, na alegria que há neles são valores que encontram sua raiz mais profunda na fé cristã.

Em 1717, quando foi retirada das águas, pelas mãos daqueles pescadores já os inspiraram a confiar em Deus que sempre nos surpreende: peixes em abundância, graça derramada de modo concreto no coração daqueles que estavam temerosos diante dos poderes estabelecidos. Deus os surpreendeu, pois Aquele que nos criou, com amor infinito, nos surpreende sempre. Deus nos surpreende sempre!

Neste jubileu festivo em que comemoramos os 300 anos daquela surpresa de Deus, somos convidados a sermos alegres e agradecidos. Alegrai-vos sempre no Senhor. E, com essa riqueza, a alegria que irradia de seus corações, transborde e alcance cada canto do Brasil, especialmente as periferias geográficas, sociais e existenciais que tanto anseiam por uma gota de esperança.

Que o singelo do sorriso de Maria que conseguimos vislumbrar em sua imagem seja fonte do sorriso de cada um de vocês diante das dificuldades da vida. O cristão jamais pode ser pessimista! O cristão jamais pode ser pessimista!

Por fim, agradeço ao povo brasileiro pelas orações que diariamente oferecem por mim, especialmente durante a celebração da Santa Missa. Rezem pelo Papa e tenham a certeza de que o Papa sempre reza por vocês. Juntos, de perto ou de longe, formamos a Igreja, o Povo de Deus. Cada vez que colaboramos, ainda que de maneira simples e discreta, como anúncio do Evangelho, tornamo-nos, assim como Maria, um verdadeiro discípulo missionário. E o Brasil hoje necessita de homens e mulheres que, cheios de esperança e firmes na fé, deem o testemunho de que o amor manifestado na solidariedade e na partilha é mais forte e luminoso que as trevas do egoísmo e da corrupção.

Com saudades do Brasil! Com saudades do Brasil!

Concedo-lhes a bênção apostólica pedindo a Nossa Senhora Aparecida que interceda por todos nós!

Que assim seja!”

Homilia do Legado Pontifício

O povo acompanhou a missa que contou com concelebrantes vários cardeais, bispos e sacerdotes de todo o Brasil. Logo depois da proclamação do Evangelho, o Legado do Papa, cardeal Giovanni Battista Re, fez a seguinte homilia:

Momento bendito e solene é este que estamos vivendo!

No íntimo de cada um de nós, vibra a recordação de um dia, distante no tempo 300 anos, quando três pescadores, jogando a rede para recolher peixes nas águas do Rio Paraíba, encontraram uma imagem de Nossa Senhora, sem cabeça e, depois, num segundo momento, acharam também sua cabeça.

No início desta celebração, o Papa Francisco se uniu a nós, por meio da Televisão. Vimos o Papa e escutamos a sua afetuosa palavra. Em seu nome e em nome dos bispos concelebrantes, saúdo todos vocês! Saúdo todas as famílias brasileiras, invocando para todas a proteção de Nossa Senhora. Dirijo uma saudação particular ao senhor Governador do Estado de São Paulo e a todas as autoridades presentes, nacionais e locais. Com ânimo agradecido pela sua participação, saúdo todas as pessoas que estão unidas conosco por meio da Televisão e da Rádio.

Após o seu encontro, a imagem da Virgem foi habilmente restaurada e um dos três pescadores, Felipe Pedroso, levou-a para a sua casa. Imediatamente seus familiares e vizinhos começaram a rezar diante daquela veneranda imagem da Virgem Maria, carinhosamente chamada “a Aparecida”. O seu culto começou rapidamente a desenvolver-se, ganhando grande intensidade. Ao oratório primitivo, seguiu-se outros templos, sempre maiores, até chegar a basílica anterior, construída em 1908. Em 1930, Nossa Senhora Aparecida foi proclamada Rainha e Padroeira principal do Brasil.

Tendo crescido, enormemente, o número dos peregrinos, chegou-se à construção do templo grandioso e impressionante, majestoso em suas linhas arquitetônicas e sugestivo em sua amplitude. Diante dele, nós nos encontramos agora em oração. Há muitas pessoas a quem se ficou devendo o mérito da construção desse santuário magnífico que goza de tanta admiração do mundo inteiro. Entre elas, devemos recordar especialmente o cardeal Carlos Carmelo de Vasconcellos Mota.

Neste santuário mariano, sente-se pulsar o coração católico do Brasil. O amor e a devoção à Virgem Maria fazem parte da cultura latino-americana e são características do povo brasileiro. É uma devoção profundamente enraizada nas almas, transmitida de geração em geração, como uma chama sempre acesa no coração das pessoas.

Ao longo desses 300 anos, inúmeras pessoas e grupos rezaram aqui diante de Nossa Senhora Aparecida buscando luz, apoio e conforto sabendo que ela conhece nossas aflições e que ao seu olha materno não escapa situação alguma de cada pessoa. Incontáveis ainda são as pessoas que ajoelharam aqui aos pés da Mãe de Deus com a alma oprimida por problemas e aflições, levantando-se depois com a alma serena e cantando os louvores da Virgem Maria. Quantas pessoas submergidas por angústias, tomadas por preocupações, dúvidas e incertezas vieram a esta Basílica buscar um pouco de conforto, podendo em seguida retomar com coragem o caminho da vida cristã.

Neste nosso tempo de eletrônica e dos computadores, das conquistas espaciais e dos satélites, quando a ciência e a técnica estão atingidas metas cada vez maiores, o mundo corre o risco de se tornar menos humano. Frente a uma secularização que avança, o povo cristão sente, cada vez mais forte, a necessidade da ajuda de Nossa Senhora Aparecida. Precisa de um renovado fervor mariano para recuperar os valores que contam para um futuro mais justo, mais humano e mais cristão. Sem os valores morais e espirituais, o futuro não poderá ser bom!

A Virgem Mãe, para nós hoje, através do Evangelho que acabou de ser proclamado, é uma página que manifesta o seu poder materno de intercessão. Se não tivessem convidado Jesus e sua Mãe, aqueles esposos de Caná da Galiléia teriam ficado mal. Aquele dia lindo e querido das núpcias ficaria nublado de tristeza porque em dado momento, teria acabado o vinho. Mas, com sua sensibilidade materna, Maria apercebeu-se do contratempo que estava prestes a verificar-se e foi interceder junto de Jesus. Desde os primeiros séculos, os cristãos sempre tiveram confiança na intercessão e proteção da Virgem Mãe. Elevada ao céu, está perto de Deus sem nunca estar perto de nós. Trata-se de uma mediação orientada para o contínuo nascimento de Cristo nos corações e no mundo. Uma mediação baseada sobre a participação na mediação de Cristo da qual emana como um serviço subordinado a superabundância dos méritos de Cristo.

Esta solicitude materna que a leva a interceder por nós sempre foi reconhecida pelo povo cristão. Dante Alighieri expressou em termos altamente poéticos tal confiança na intercessão de Nossa Senhora junto de Cristo em nosso favor quando colocou nos lábios de São Bernardo, esta sublime oração à Virgem: “Senhora, sois tão grande poder que desejar, sem vós, divinas graças é igual querer voar sem asas ter”. Se não se recorre a Maria, é como querer voar sem asas. A sua mediação materna assume a forma de intercessão junto de Cristo como aconteceu em Caná quando obteve de Cristo que antecipasse sua hora.

A nós, aqui congregados em grande número, no tricentenário do encontro da veneranda imagem da Mãe do Céu, a mensagem que ela nos deixa é a mesma que ressoou em Caná da Galiléia: “Fazei o que Cristo vos disser! ”. São as palavras que Maria dirigiu a quem estava servindo é que permitiu o milagre da transformação da água em vinho. Os serventes das Bodas de Caná acreditaram nas palavras de Nossa Senhora e fizeram tudo o que lhes foi pedido. “Fazei o que Jesus vos disser”, repete Nossa Senhora Aparecida também a nós! Em outras palavras: “sede verdadeiros discípulos missionários de Jesus, prontos a fazer o que Deus lhes pede! ”. O verdadeiro bem do homem e da mulher está em fazer a vontade de Deus, está em confiar em Deus. Isto quer ser um convite para recomeçar de Cristo testemunhando os valores e ideais cristãos. Recomeçar de Cristo significa tomar Cristo como medida de tudo, significa haurir de Cristo a coragem de que precisamos, significa tirar dele confiança e esperança para o futuro. A contribuição de que o mundo atual precisa de nós cristãos é a fidelidade ao Evangelho, a fidelidade aos valores e ideais cristãos que são o patrimônio mais precioso do Brasil.

Neste santuário, onde a Igreja brasileira ama, venera e invoca Maria como Nossa Senhora Aparecida, por ocasião dessa importante efeméride, cada um de nós se consagre a ela, Mãe de Deus e nossa Mãe. Consagremos nossas vidas com suas alegrias e tristezas, com suas esperanças e problemas. Entreguemos a Nossa Senhora Aparecida todas as famílias do Brasil, para todas implorando proteção e ajuda, alegria e esperança. Confiemos também o futuro do Brasil para que transcorra na justiça, na paz, na solidariedade e na fraternidade. Que Nossa Senhora Aparecida em sua ilimitada solicitude materna assista e proteja cada um de vocês, assista e proteja todo o Brasil!”.

Fotos: Santuário Nacional/Facebook

Foto de capa: g1.globo.com/Vale do Paraíba

(Reprodução escrita da mensagem e homilia: Assessoria de Imprensa, CNBB)

COMPARTILHE:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email