Moradores da região dos parques eólicos em Caldeirão Grande do Piauí se reúnem para reivindicar direitos

Moradores da comunidade Serra dos Pereiros, em Caldeirão Grande do Piauí, realizaram na manhã dessa sexta-feira, (09/10), na Igreja Católica da comunidade, uma reunião com o objetivo de obter esclarecimentos e discutir os direitos de propriedade das famílias que residem na área de implantação dos parques para a geração de energia eólica na região.

Além dos moradores, a reunião contou com a participação de representantes da empresa Chapada do Piauí, ContourGlobal, do Bispo de Picos, do prefeito de Caldeirão Grande do Piauí, da Cáritas Diocesana e Regional, do Pároco da Paróquia São Cristovão, religiosas, advogado, outras autoridades municipais e empresas terceirizadas.

Sobre a mediação do advogado Dr. Agrimar Rodrigues de Araújo, durante a reunião, foi colocada muitas demandas, inclusive, queixas dos moradores que pelas colocações mostraram indignação pela forma com a qual são abordados pelos representantes da ContourGloba (empresa desenvolvedora do projeto). “Já me sinto honrado quando o povo se une e se reúne para lutar pelos seus direitos, e é isso que estamos fazendo aqui, reivindicando os nossos direitos. Para nós, esse momento já é uma vitória, e agradecemos a todos que estão conosco nesta luta”, pontua o professor Djalma.

40

Diante das colocações das famílias o engenheiro elétrico e gerente de obras da Empresa Chapada do Piauí (consórcio formado pelas empresas Contour Global e CHESF ), Rodrigo Ferrari Errera, afirmou ter havido falha de comunicação entre empresa que fez as negociações de arrendamentos com os proprietários de terras na região desde 2009 e os moradores “Admito que a nossa empresa precisa retomar e discutir com os moradores as formas de negociações. Sem dúvida, a comunicação é o grande desafio da humanidade; então, sempre podemos e vamos sim aprimorar nossa comunicação com os moradores e isso vamos melhorar humanizando mais o nosso relacionamento com a comunidade”, disse. Com relação ao direito de propriedade que eventualmente a empresa vai precisar ocupar, Rodrigo Errara disse que todas as propriedades arrendadas estão devidamente legalizadas e acrescentou mais “Este é um projeto de 132 maquinas, com geradores de mais de 250 MW de capacidade, portanto, a nossa intenção é trazermos o melhor para as famílias”. O engenheiro disse mais: “Durante a reunião procuramos enfatizar sobre os problemas com os moradores que estão contra o projeto e que se sentem prejudicados pelas obras, porém, tivemos também várias manifestações a favor do projeto e testemunhos de pessoas que melhoraram sua condição de vida com a chegada das empresas na região”.

36

O projeto deverá entrar efetivamente em operação a partir de janeiro de 2016. Para o prefeito de Caldeirão Grande, João Vianey, o município quer que o projeto continue em frente, mas respeitando os direitos dos moradores “Há certa divergência entre as famílias e a empresa, mas acredito no bom senso das famílias e a sensibilização por parte da empresa para que no final tudo ocorra para o bem e o desenvolvimento de todos”, enfatiza.

37

Representando a comissão dos pequenos produtores e proprietários da região, o mediador do encontro, advogado Agrimar Rodrigues, avaliou o momento como positivo. “A análise mais importante que faço, foi à aproximação da empresa e da comunidade e os esclarecimentos que foram prestados”. Do ponto de vista da garantia dos direitos das famílias, Dr. Agrimar disse sair da reunião com a convicção de que os direitos de cada uma a partir de agora serão melhores assegurados “Não tenho dúvidas que depois desses esclarecimentos sobre o direito de propriedade e de posse, ficou claro para as pessoas que elas não são obrigadas aderirem ao projeto, as que quiserem arrendar suas terras, farão, e as que não querem, não são obrigadas. Isso ficou claro para elas e mais ainda para a empresa”, afirma. E disse mais: “Se existe algo que ambas as partes tem que encontrar é um ponto de equilíbrio entre o desenvolvimento e o respeito à dignidade das pessoas, lembrando que o progresso é importante, mas o valor da dignidade humana está acima”.

22

Para o bispo de Picos, Dom Plínio José Luz da Silva, o contato com as famílias foi mais uma experiência adquirida “Esse momento foi uma experiência a mais que adquirimos com o povo. Na verdade, existem muitos problemas, sofrimentos, indecisões e dúvidas por parte dos moradores o que vai de encontro com aquilo que nós colocamos na programação do Jubileu de ir ao encontro das pessoas, para descobrirmos as suas alegrias e sofrimento como o Concílio Vaticano coloca, ver a alegria, as tristezas e esperanças do nosso povo”. Esse, já foi o terceiro encontro do Bispo de Picos com as famílias de Serra dos Pereiros “Essas três vindas a Serra dos Pereiros foi um aprendizado, a gente percebe que as pessoas não são mais ingênuas, elas sabem do que é seu e reivindicam os seus direitos. Sabemos que é uma decisão do governo de implantar este projeto que é uma evolução, o que não podemos é aceitar o que prejudica o nosso povo sem questiona-los”, pontua.

41

Para dar acompanhamento as negociações, no final da reunião foi formada uma comissão composta por dois representantes da Igreja Católica, Prefeitura municipal, Empresa Chapada do Piauí, Cáritas Diocesana e Regional, CRB e do Conselho Administrativo da comunidade. Além da comissão, Dom Plínio sugeriu que a empresa ContourGlobal implante um escritório para atendimento na própria comunidade para que as pessoas que estiveram com problemas ou insatisfação possam procura-lo para obter os esclarecimentos.

Clic aqui e veja todas as fotos da reunião!

COMPARTILHE:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email