Abertura da 39 ª Semana do Migrante em Roraima: “A migração é uma riqueza, que torna a sociedade mais plural, mais acolhedora”

A diocese de Roraima realizou nesta segunda-feira a abertura da 39ª Semana do Migrante, que em 2024 tem como tema “Migração e Casa Comum”, e como lema “Alarga o espaço da tua tenda” (Is 54,2). A migração é uma situação que marca a vida do Estado de Roraima nos últimos anos, até o ponto que atualmente 30 por cento da população de Roraima é formada por migrantes venezuelanos. Anualmente entram mais ou menos 200 mil venezuelanos por ano pela fronteira de Pacaraima.
O bispo de Roraima, dom Evaristo Spengler lembrou que a população de Roraima é uma população migrante, chegada de diferentes estados do Brasil. A partir de 2017, a migração foi de venezuelanos, e “a Igreja foi a primeira que começou a dar uma resposta a essa situação, não vamos dizer problema, porque é a acolhida de irmãos”. A Igreja local, com a ajuda da Igreja do Brasil, foi dando passos, sobretudo com a Cáritas, e hoje são muitas as estruturas da Igreja de Roraima, em parceria com outras instituições, que acolhem os migrantes. Dom Evaristo lembrou que a cada dia a Igreja católica contribui pelo menos com 1.500 cafés da manhã e 1.500 almoços, fora do serviço de documentação, de acolhimento, com o projeto Sumauma.

 

Dom Evaristo Spengler, bispo de Roraima durante acolhida da CEETH-CNBB. Foto: Cláudia Pereira
Segundo o bispo de Roraima, “todos os que chegaram aqui trouxeram a sua cultura, o seu jeito de ser, a sua história, e cada um trouxe um pouquinho mais de enriquecimento a nossa sociedade, a visão do mundo, a culinária”, algo que foi compartilhado durante a abertura da Semana do Migrante, realizada do lado da Rodoviária de Boa Vista. Ele insiste em que “a migração não é um problema, a migração é uma riqueza, que torna a sociedade mais plural, mais acolhedora, uma sociedade de fato aberta a todas as pessoas que possam aqui chegar”.
Com relação ao cuidado da casa comum, tema da 39ª Semana do Migrante, o bispo de Roraima lembrou que “a mudança climática atingiu fortemente o nosso estado”, lembrando o longo período de seca de agosto de 2023 a março de 2024, o que demanda “maior cuidado com essa casa comum e com o planeta que Deus nos deu”, recordando que o clima da Amazônia afeta o Brasil inteiro, América Latina e o mundo. É por isso que “é necessário olhar com cuidado para essa questão do meio ambiente, olhar para recompor aquilo que de fato foi essa terra, hoje cada vez mais enfraquecida com as queimadas”.
O bispo de Tubarão e presidente da Comissão Especial de Enfrentamento ao Tráfico Humano da CNBB, dom Adilson Pedro Busin, presente na abertura da Semana do Migrante, fez um convite a “alargar a tenda do nosso coração para acolher, para proteger, para cuidar”. O bispo lembrou a presença de 4.000 venezuelanos em sua diocese, afirmando que “nossa terra é onde nós vivemos, é onde nós encontramos pessoas para partilhar a família humana, onde somos acolhidos e ganhamos o pão”, pedindo que “o nosso coração, a nossa família, a nossa comunidade, a nossa Igreja e a sociedade possa sempre estender as estacas como sinal de acolhida, porque todos nós somos família de Deus”.
Roraima é um Estado marcado por uma realidade grave e diversificada, como é a questão yanomami, um território indígena onde o garimpo ilegal tomou conta, com quase 80 pistas de pouso clandestinas, controladas pelo narco garimpo. As fronteiras com os outros países, sobretudo Venezuela e Guiana, muitos vulneráveis, sendo fácil entrar e sair do país.
Davi Kopenawa participou da roda de conversa sobre a temática. Foto: Cláudia Pereira
O tráfico de pessoas é algo sobre o que se está começando a falar entre os povos indígenas, segundo Davi Kopenawa, que afirma ser algo antigo entre os brancos. Nessa perspectiva, o líder yanomami destaca que “é bom que vocês acordaram para falar com nós”. Ele denuncia a exploração das mulheres yanomami pelos garimpeiros, insistindo em que cada vez são mais as indígenas grávidas de garimpeiros.
Os migrantes em Roraima são vítimas do tráfico humano, que se concretiza de diversos modos, no trabalho escravo, a servidão doméstica, o aluguel de crianças para mendicância, para as pessoas serem atendidas em primeiro lugar nas filas, a exploração sexual de crianças e adolescentes, inclusive o roubo de crianças do colo das mães. Pode ser falado abertamente de falta de respeito aos direitos das pessoas, muitas vezes com a conivência do poder público e da própria sociedade.
Uma realidade que também se dá nos abrigos de acolhida, superlotados, com poucas pessoas para realizar o atendimento e cuidado, que em muitos casos tem se tornado territórios sem lei, tendo acontecido assassinatos dentro desses abrigos. De fato, muitos migrantes não querem entrar nos abrigos, preferem dormir na rua, até o ponto de que Boa Vista é a cidade com maior porcentual de população de rua do Brasil.

Confira matéria completa na integra

Por Luis Miguel Modino, assessor de comunicação CNBB Norte1

Fotos: Cláudia Pereira

 

COMPARTILHE:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email