Secretário-Geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, destaca os principais temas discutidos na reunião do Conselho Permanente

A preparação da 57ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o último documento do “Pensando o Brasil”, as reflexões sobre a contribuição da Conferência para o Ensino Religioso confessional nas escolas públicas e a sexualidade humana foram os temas principais da reunião do Conselho Permanente da CNBB, que ocorreu de 19 a 21 de julho, na sede provisória, em Brasília (DF). O secretário-geral da Conferência, dom Leonardo Steiner, fez um breve balanço do encontro.

Leia a entrevista:

O Conselho Permanente esteve reunido por três dias e qual é o balanço que o senhor faz desse encontro dos bispos dos regionais, das comissões e da Presidência da CNBB?

O Conselho Permanente da CNBB é o órgão mais importante da Conferência depois da Assembleia Geral. É a instância responsável pela tradução das decisões da Assembleia Geral. No cumprimento dessa missão, os bispos tiveram, mais uma vez, uma agenda muito boa na qual trabalhamos em vários turnos e ainda assim não conseguimos esgotar todos os assuntos. Diante do trabalho realizado, poderíamos destacar quatro assuntos que tomaram maior parte do tempo: a preparação da Assembleia do ano que vem, apreciação do último documento do “Pensando o Brasil”,  as reflexões sobre a contribuição da CNBB para o Ensino Religioso confessional nas escolas públicas e a sexualidade humana.

É a atualização das novas Diretrizes Gerais para a Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE) que está no centro dos trabalhos da 57ª Assembleia Geral dos bispos em 2019?

É isso mesmo. As Diretrizes são uma contribuição importante dos Bispos para a evangelização nas igrejas particulares, nas comunidades católicas. Os bispos preferem que continuemos o caminho iniciado em 2011 e renovado em 2015 conservando as urgências pastorais. Desse modo, os regionais, as dioceses, paróquias e comunidades podem consolidar suas iniciativas pastorais realizadas nos últimos anos.

No entanto, houve nas reflexões e discussões o desejo de que se aborde a questão da cultura urbana, ou a presença da Igreja na realidade urbana. Há tantos desafios neste campo. Já não podemos confiar em métodos que levavam em conta uma vida do povo de décadas atrás quando o mundo urbano ainda era o ambiente apenas de quem vivia em grandes cidades. Hoje, a urbanização além de ter se instalado nas pequenas localidades também chegou ao campo. É um ambiente novo que pede respostas novas da Igreja nos métodos de sua missão. Por isso, houve a insistência de que as Diretrizes levem em conta também os últimos documentos da Conferência que abordam especificamente 4 das 5 urgências.

As periferias geográficas e existenciais são os ambientes onde a urbanização mostra exigências maiores e são nelas que a Igreja é chamada a levar a luz de Jesus Cristo. Além disso, todo o conjunto da evangelização precisa ser refletido a partir da cultura urbana dos nossos tempos.

O movimento que a Igreja no Brasil tem feito em torno de temas fundamentais para a vida da Igreja e na sociedade por meio do projeto “Pensando o Brasil” tem um texto novo e dessa vez o que se pretende refletir?

A laicidade do Estado. É um tema recorrente no Brasil. Ela aparece sempre quando se deseja justificar um tipo de restrição à manifestação da Igrejas ou para combater a tradição do povo. Muitas vezes se confunde o Estado laico com Estado ateu. Isso no sentido de que o Estado sendo laico pode parecer que não exista liberdade de expressão religiosa, e não pode haver expressões religiosas em público. Por isso, discutimos a questão do Estado laico e publicaremos um texto abordando essa realidade no Brasil. Será um subsídio muito significativo sobretudo quanto ao compromisso social do cristão. Ajudará a refletir a nossa presença como Igreja, como cristãos, como católicos na sociedade brasileira.

O senhor disse que também trataram dos encaminhamentos a respeito do que a do Ensino Religioso confessional nas escolas públicas.

Sim. É um tema que necessita de acompanhamento e preparação de pessoas que possam apresentar o Ensino religioso como uma contribuição para a formação da pessoa e aprofundamento da própria fé. A Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura e Educação da CNBB coordena esse serviço. Ela apresentou aos membros do Conselho Permanente os passos dados. O importante é que a Igreja ofereça, como sempre o fez, uma ajuda desinteressada, sem proselitismo, mas comprometida na busca de uma educação integral e de qualidade. Fortaleça o primado da liberdade e dos valores essenciais do humano. A religião pode dar uma extraordinária contribuição nesse sentido.

A Comissão Episcopal Pastoral Vida e Família apresentou no Conselho Permanente um texto sobre a sexualidade humana.

O Conselho Permanente tem refletido a questão da sexualidade humana, no que diz respeito ao que costumamos denominar ideologia de gênero. Inspirado no Evangelho e no magistério da Igreja, foi refletida essa realidade e foi confiada à Comissão Vida e Família a publicação sobre a grandeza de sexualidade humana. Serão indicações pastorais para ajudar as nossas famílias, comunidades, professores no esclarecimento e discussão sobre a ideologia de gênero.

Nesse contexto abordamos a audiência pública sobre o aborto e a participação da CNBB, bem como de outras entidades religiosas na mesma. Lembramos a nota da CNBB sobre o tema em questão. Seria até importante publicar mais uma vez no nosso Site, pois é uma declaração importante de nosso episcopado e pouco conhecido. Apesar de todas as pressões continuamos seguindo o Evangelho: defender a vida!

O senhor teria mais algum assunto que foi abordado no Conselho?

Também conversamos sobre a necessidade de defender a soberania dos bens do Brasil. Foi lembrado a Petrobras e a Eletrobrás. Não podemos perder a soberania sobre os bens que estão ligadas a essas duas empresas brasileiras: água, petróleo, gás, energia elétrica. Foi lembrado que a CNBB já abordou a questão em uma nota. Nesse momento seria bom que ela fosse mais uma vez visibilizada.

PASCOM Diocesana

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Palavra do Bispo

Dom Plínio

Diocese de Picos

Facebook

Share This
Assine a nossa newsletter

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!