Nossa Senhora dos Remédios

Histórico da chegada da imagem de Nossa Senhora dos Remédios à Picos

Na tarde do dia 31 de dezembro de 1847, chegou a Picos a Imagem de Nossa Senhora dos Remédios, conduzida de Salvador, Bahia, até Picos por um escravo, a pé, que, como prêmio, recebeu a carta de alforria.

Segundo a tradição oral e o depoimento de pessoas contemporâneas que viviam ainda o início deste século, a imagem foi encomendada pelo Coronel Victor de Barros Silva, em cumprimento à promessa feita pelo seu vaqueiro João das Dores, para que seu filho e o filho do patrão voltassem sãos e salvos da guerra (Balaiada), para a qual foram, sob o comando do Capitão José Francisco Fontes.

Pela imagem que veio de Portugal para a Bahia, Victor de Barros pagou a importância de $ 40.00,00 (Quarenta mil reis), o produto da venda de dez vacas paridas.

Não se conservou o nome do escravo que conduziu, pelos ínvios caminhos do sertão, ao tempo das primeiras águas, a imagem da Padroeira de Picos. Sabe-se, no entanto, que era escravo do mesmo Victor de Barros.

O humilde escravo não sabia de nenhum bendito à Senhora dos Remédios. Na sua simplicidade porém adaptou o de Nossa Senhora do Rosário (Padroeira dos escravos), e vinha, pelos caminhos, sozinho, contando aos ermos e à Virgem:

“Vinde, devotos fiéis,

doces hinos entoar,

à Senhora dos Remédios,

Virgem pura singular!”

Bendito esse que, ainda hoje, se canta e nos comove!

Sabe-se, também, que, por onde passava, a Imagem era recebida festivamente. Na freguesia de Jaicós, fez-se uma procissão e a Imagem de Nossa Senhora das Mercês acompanhou, em andor, a Imagem de Nossa Senhora dos Remédios até a serra. Ao aproximar-se de Picos, na fazenda Samambaia, formou-se um cortejo, acompanhado de fogos, rezas e cânticos. A Imagem de Nossa Senhora dos Remédios entrou no povoado de Picos pela Passagem das Pedras.

No dia 1.º de Janeiro de 1848, a imagem de Nossa Senhora dos Remédios foi benta pelo primeiro sacerdote picoense, Pe. Francisco de Paulo Moura.