Cardeal Orani Tempesta sobre a Copa do Mundo: “a pessoa merece torcer por aquilo que gosta”

Cardeal Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro (RJ), em passagem por Roma por ocasião do Consistório Ordinário Público, falou ao Vatican News sobre como o futebol é visto e vivido no Brasil em meio ao contexto sócio-político atual. Ele falou com o repórter Silvonei José.

Confira um trecho da entrevista.

Dom Orani, estamos vivendo um momento particular, falemos da atualidade: no Brasil, em festa ou em tristeza, não sei, com a Copa do Mundo. Que notícia o senhor me traz do Brasil, se realmente estão parando, na hora do futebol, que sensação o senhor tem, deste ano, com futebol?

É claro que o brasileiro tem uma ligação muito grande com o futebol. Ainda hoje as empresas fazem momento de parada, para que as pessoas assistam ao jogo, alguns dão folga naquela tarde ou manhã, ou o dia todo, e as pessoas depois compensam de outra forma; o movimento no trânsito, no Rio de Janeiro, por exemplo, fica tranquilo naquele momento do jogo. Eu estava conversando com uma pessoa que tinha vindo de metrô e disse que estava uma beleza, pouca gente viajando, no metrô. Alguns não gostam, alguns continuam a ir e vir, mas há todo um modo de parar para assistir ao jogo e fazer sua torcida, tanto nas casas como também nos lugares públicos. No Rio de Janeiro, nós temos, na Tijuca, o chamado Alzirão, em que as pessoas se reúnem nas ruas circunvizinhas e, ali, fazem a torcida e marcam presença torcendo pelo Brasil.

Tudo isso pode ser criticado, dizer que é o ópio do povo, para o povo se distrair e não ver os problemas, mas isso não muda o problema social do Brasil. Não há dúvida que a pessoa que passa por dificuldades também merece um divertimento e torcer por aquilo que gosta. Acho que, nesse sentido, faz parte um pouco da nossa índole, fazermos festa, termos essas alegrias, mesmo com os problemas e as dificuldades que nós temos; está dentro da nossa alma poder torcer, sabendo que temos coisas muito mais sérias para resolver, do que apenas uma Copa do Mundo. Mas, ao mesmo tempo, faz parte da nossa vida viver momentos de lazer.

Quer dizer que o futebol não é mais aquela anestesia que sempre se falava?

Creio que houve vários fatores em face dos quais as pessoas começaram a tomar consciência: primeiro foi o resultado fatídico na última Copa do Mundo, mas do outro lado, também, os problemas do Brasil na questão política, social e no campo econômico levaram o brasileiro a saber ponderar bastante, sabendo que temos problemas muito mais sérios a serem resolvidos do que uma Copa do Mundo, mas não deixou de ter também a sua torcida.

Voltando à questão da dificuldade dos brasileiros, estamos num ano eleitoral, vivendo momentos difíceis, mas a impressão que nos dá é que o povo sabe o que quer.

Creio que há controvérsias. Ou seja, o povo sabe aquilo que não quer, sabe das dificuldades que existem. O brasileiro tem o sonho de que as realidades sejam modificadas, mas não está muito claro como fazer acontecer isso. Porque ainda não está claro quem é candidato, só temos pré-candidatos para os vários cargos. Quando houver essa definição, esses aspectos serão mais esclarecidos e as pessoas poderão fazer suas opções. Mas o povo está mais crítico quanto aos políticos no passado, devido ao noticiário que chega sobre os desvios, propinas e dificuldades que existiram.

Fonte CNBB 

PASCOM Diocesana

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Palavra do Bispo

Dom Plínio

Diocese de Picos

Calendário

DomSegTerQuaQuiSexSab
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 
 « ‹nov 2018› » 

Facebook

Share This
Assine a nossa newsletter

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!